Mensagem do dia 17/01/2013- O sorriso

IMPERDÍVEL! Vale a pena praticar!

Com base no livro “Como Ser Feliz – A receita científica para a felicidade” de Sonja Lyubomirsky, que baseada nas mais recentes descobertas na área da Psicologia e na extensa investigação levada a cabo pela própria autora, trago as 10 mudanças indispensáveis para a compreensão da natureza da felicidade.
Vale a pena ler e praticar para sentir-se ainda melhor.
Um Guia imperdível para quem busca ser melhor a cada dia e é claro, ser mais feliz.
Peça agora, 100% “de grátis”.

    Seu nome (obrigatório)

    Seu e-mail (obrigatório)





    A Astrologia começa a tomar forma na Mesopotâmia, onde se utilizava as previsões astronômicas para se fazer calendários agrícolas,além de se prever a sorte do soberano, do Estado e de todos os fatos importantes da vida pública. À partir daí, se espalhou em todas as direções: Pérsia, Índia, Arábia, Egito, Grécia.



    Cartas estelares egípcias anteriores a 4200 a.C., monumentos em Babilônia e Ur (como os famosos zigurates, de 2000 a.C.), eram utilizados para observar o céu e prever eclipses.
    A Astrologia chega à Grécia através de Beroso (280 a.C.), vindo da Mesopotâmia para ensinar em Cós, assim como Cono de Samos, amigo de Arquimedes.
    Ao relacionar os quatro elementos (água, terra, fogo e ar) com os quatro princípios elementares (quente, frio, seco e úmido), Aristóteles contribui para fixar o código de interpretação astrológica.
    Hipócrates, pai da medicina, observava no organismo humano uma correspondência com os ritmos próprios da natureza: o ciclo de enfermidades e os dias críticos. Segundo ele, o médico que não conhecesse a Astrologia não teria o direito de tocar em um doente.




    ROMA

    Virgílio, nas suas Geórgicas, deixa a Astrologia guiar sua obra poética. Manilius, no seu Astronomicon, celebra a Astrologia como uma revelação divina. Sêneca lhe consagra uma parte em suas Questões Naturais. Ao imprimir seu signo (Capricórnio) em uma moeda da época, Augusto refletia a tendência vigente, quando as grandes famílias e os imperadores possuíam seus astrólogos favoritos.
    Fonte : IOL: http://www.portaliol.com