Texto de Paulo Roberto Gaefke sobre a desilusão do amor

É estranho, mas sem você não reconheço alguns lugares.
Parece que certas pessoas perderam a identidade.

Eu não me encontro, pior, eu nem me acho.
Sinto o peso das horas que não passam,
do tempo que não traz contentamento.

Há um enorme vazio,
vivo sem o meu próprio consentimento.

Estranho “sentir” de não sentir nada além da sua ausência.
É uma dor produnda, que parece ter peso e medida,
apesar de ser tão volátil, tão distante.

Mas, como a dor da gente ainda não sai no jornal,
nem vira matéria nas revistas, eu passo muito mal.
Sigo só, andando pelos cantos escuros da minha vida,
com sorrisos forçados, meio amarelados.
Andando meio de lado, como para evitar pessoas.
Aquelas mesmas que perguntam de você.

Viu?
Não sou só eu que estranho a sua ausência…

Vai passar!
É o que eu me repito, é o que eu acredito.
Pelo menos tento buscar algum alento.
Tento sair da rua escura e esquecida da minha desilusão,
para buscar a luz do sol do amor que não desiste,
que insiste em fazer parte das nossas vidas.

Vai passar!
Mas enquanto não passa, eu me despedaço,
em pequenos cacos de solidão,
na insistência de pensar em você.
Obra do meu coração,
esse lugar em que eu não moro,
mas que você habita!
Com sua saída, ficou apenas um rastro da mala no chão empoeirado,
lembrança que insiste em permanecer em mim, que me sinto esvaziado.
Cheio de sonhos, cheio de sensações pelo corpo,
que ainda se arrepia só de pensar em você.

Vai passar…
Enquanto não passa, penso em você.

Paulo Roberto Gaefke
Compartilhe
[email_link]