O Mantra da felicidade
Aprendi com o tempo que tudo o que realmente funciona é simples!
Quando complicamos as coisas, ou as coisas tem muita explicação ou manuais, pode escrever que é dor de cabeça.
Eu sou a prova viva de que um Mantra pessoal é a melhor e mais barata forma de mudar o rumo da nossa vida.
Então, esse mantra praticado na Yoga que eu vou te ensinar, vai te ajudar a destravar-se dos problemas que andam afligindo a sua mente e ficar mais “leve”.
Experimente, leve a sério, isso que parece tão simples, mas que na verdade é carregado de sabedoria.
Se você queria uma chance para mudar alguma coisa, esse é o momento: peça e pratique,

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)





Talismãs são objetos que carregam pantáculos ou caracteres e que foram consagrados de acordo com uma crença. Possuem supostamente poderes ocultos de proteção, harmonia, energia etc.
Os talismãs podem ser amuletos, feitos com objetos naturais (pedaço de osso, espinha de peixe, uma pena etc.); talismãs propriamente dito, que, mesmo composto com um objeto natural, tem em sua composição algum elemento artificial; e pantáculo, que é a forma mais elaborada do taismã e caracteriza-se por seu aspecto ativo. Ou seja, diferentemente do amuleto e do talismã, mais utilizados para uma suposta proteção, o pantáculo é supostamente um emissor fluídico que irradia forças mágicas e age conforme as forças do Cosmos.



O talismã também pode supostamente representar um papel maléfico, já que segundo algumas religiões e crendices populares os supostos meios mágicos tanto podem ajudar como prejudicar.
Há também os teraphim e os filactérios. Estes são constituídos por pequenos pedaços de pergaminho onde são transcritas passagens das Escrituras, geralmente depositados em duas caixinhas e presos ao corpo na cabeça e no braço esquerdo.[1] Os primeiros são uma espécie de pantáculos de supostas adivinhações e proteção mágica.
A palavra talismã, tem conotações de magia, mas muito antes de atingir essas conotações tinha outro significado: “completar”. Do grego télesma, que significa completude.