Quando a tristeza chega do nada e tudo parece dar errado: é o inferno astral.

Basta uma briga na família ou com a pessoa amada, algo errado no trabalho ou mesmo com amigos e pronto, aquela tristeza, o medo, a raiva começa a perturbar a sua vida e nada dá certo.
Opa! Esse é um sinal de alerta que algo vai muito mai e não podemos esperar a Depressão chegar e se instalar de vez na sua vida.
Este Guia contra O Inferno Astral vai te ajudar com dicas práticas para você dar a volta por cima e curtir a vida como se deve.


ACABE JÁ COM SEU BAIXO-ASTRAL

De repente, baixa aquela sensação indescritível de que o mundo todo pesa em suas costas. Tudo está errado e todas as portas parecem fechadas. A auto-estima cai, a solidão parece ser um remédio, a vontade de chorar chega e, se fosse possível abrir um buraco e entrar dentro, com certeza você faria isso.

E agora?
Como conviver com essa infelicidade geral que vem de não se sabe onde, invade, domina e anula totalmente a sua vontade? Parece difícil, pois as emoções afloram e, nesse caso, fica difícil raciocinar e procurar saídas.

Como se desencadeia esse processo?
Basta um fora com uma amiga, uma briguinha com o namorado, uma discussão com o professor, uma bronca da mãe ou uma desavença com o irmão. Quando você menos espera, perdeu a vontade de tudo e o baixo-astral assume o comando de sua vida.

Se você parar um pouquinho agora mesmo e voltar ao parágrafo anterior, verá que os fatos que desencadeiam do baixo-astral são puramente emocionais. Como uma vasilha que vai se enchendo pouco a pouco, acontece o mesmo com sua emoção, até o momento em que um pingo a mais faz entornar a água acumulada. Se você agora, concordar com isso, tomou sua primeira medida para livrar-se desse problema terrível e incômodo.

Sabe por quê?
Porque você deixou o plano emocional e começou a racionalizar o que acontece com você. E já que deu o primeiro passo, quer saber o que significa baixo-astral? É uma situação ou circunstância adversa, atribuída a suposta má influência dos astros, conforme explica nosso querido dicionário, reforçando o aspecto emocional, que é o monstro a ser combatido.

Já que entramos nesse campo, vá um pouco além agora, procurando entender-se um pouco mais. Para isso, consulte seu horóscopo e veja como seu signo reage às influências negativas, sendo a principal delas o período de seu Inferno Astral, que abrange o mês imediatamente anterior ao seu aniversário, quando você se encontra particularmente suscetível e fragilizada, mas não indefesa a ponto de aceitar passivamente essa situação. Seja essa ou qualquer outra causa, a primeira coisa a fazer é entender que esse é um processo passageiro e quando mais depressa sair dele, melhor. Para isso, existem alguns truques simples, que você pode usar a partir de agora.

Descarregue sua raiva

Pegue seu travesseiro agora mesmo e soque-o com força. Faça de contas que ela é o bicho que representa seu baixo-astral. Belisque-o, esbofeteie-o, soque-o, chute-o até se cansar.

Faça uma coisa gostosa

Sem perda de tempo, agora mesmo, vá fazer alguma coisa fisicamente gostosa ao seu alcance. Pode tomar um copo de suco gelado, um pedaço de pudim, escovar os cabelos, pedir que alguém lhe faça uma massagem no pescoço ou qualquer outra coisa que estimule seus sentidos, inclusive ver de novo seu álbum de fotografias.

Relaxe

Tranque-se no banheiro e tome um banho morno e demorado. Acenda velas perfumadas, ligue sua música preferida e procure não pensar em nada. Massageie-se, esfregue-se, como se estivesse limpando de sua pele todas as influências negativas. Após isso, enxugue-se, perfume-se e vista roupas com as cores de seu signo.

Presenteie-se

Descole alguns trocados e vá a uma loja de quinquilharias ou a uma loja de roupas e presenteie-se. Aproveite para paquerar e trocar telefones com os gatos que encontrar pela

frente. À noite ligue para eles ou para sua melhor amiga, colocando as fofocas em dia.

Dicas e fórmulas para acabar com o baixo-astral

Ele surge repentinamente, sem que você perceba, instalando-se e espalhando seus malefícios. É um estado de espírito? Uma situação ou circunstância desfavorável ou adversa, atribuída a suposta má influência dos astros? Ou vai mais longe e vem quando você se deixa abater por um acontecimento que mina suas defesas e deixa você sem ação, como se o mundo tivesse caído em sua cabeça?

Definir o baixo astral é papo para muita conversa e acho que nem é preciso se estender muito nisso, pois você sabe exatamente como é isso. O importante é saber se existe saídas para esse fundo-de-poço que pode atingir qualquer um.

O ideal é não entrar nessa, mas se você embarcou numa de baixo-astral, aqui vão algumas dicas e fórmulas para sair dele.

Recicle suas Atividades

Com freqüência a gente se deixa envolver pela situação, tentando fazer muito mais coisas do que podemos suportar. Quando percebemos que não vamos dar conta de tudo, vem aquela frustração e com ela o baixo-astral.

Nesses casos, pare tudo que estiver fazendo e corajosamente recicle todo o seu trabalho, deixando de lado o que não é importante e concentrando-se naquilo que realmente interessa. Organize uma lista de seus problemas mais sérios e comece a resolvê-los com força de vontade, concentrando-se em um por vez, sem pressa e sem desespero.

Encare a Realidade de Frente

Se você se achar num baixo-astral aparentemente sem saída, faça-se a seguinte pergunta: Qual é a pior coisa que pode me acontecer agora?” Se você tem nas mãos um problema que não pode solucionar, aceite isso e não tente lutar contra o inevitável. Conviva com isso até encontrar a melhor maneira de solucioná-lo. O importante é manter a calma e a lucidez e canalizar disposição e energia na procura de um saída.

Aprenda a dizer NÃO

A incapacidade para dizer “não” pode nos levar a situações que poderiam ser evitadas. Quando aceitamos mais responsabilidade do que somos capaz de assumir, sobrecarregamos-nos desnecessariamente e improdutivamente, pois raramente, com sobrecarga de trabalho, conseguiremos realizar algo de qualidade. Isso angustia e deprime e algo que poderia ser evitado com uma simples palavra acaba se tornando um problema.

Na vida particular, no seio da família ou com os amigos, o “não” pode evitar muitos dissabores futuros, principalmente quando nós nos deixamos levar pelos outros, por suas opiniões, por seus problemas, assumindo as dores e os problemas alheios como se fôssemos os salvadores da pátria.

Estas são situações geram um baixo-astral incontrolável, porque nos envolvem com problemas alheios. Sofremos pelos outros e nada podemos fazer por eles. Por isso, fuja desse tipo de situação. Basta dizer “não”.

Mantenha o Humor

A melhor maneira de enfrentar a vida é com um sorriso nos lábios. Experimente procurar motivos para sorrir, quando se estiver vivendo um momento de baixo-astral. Simplesmente relaxe e dê uma boa gargalhada. Vá a uma à locadora e alugue uma comédia daquelas de fazer chorar de tanto rir. Leve-a para casa, pegue sua bebida e sua comida favoritas e divirta-se. Verá como o mundo parece diferente, depois de umas boas gargalhadas.

Abra-se

A solidão e o isolamento podem ser um péssimo negócio nos momentos de baixo-astral, porque você ficará se remoendo interiormente, muitas vezes sem saber definir exatamente

o que incomoda. Isso atrapalha sua percepção e impede a visão de soluções e alternativas para sair dessa.

Nesse momento, nada como pegar o telefone e desabafar com uma amiga. Quem sabe levar aquele papo pela Internet, navegando ao sabor do momento e buscando respostas em todos os cantos do mundo. Verá como o mundo é vasto e como seus problemas são tão diminutos, diante da imensa variedade de soluções que lhe serão acenadas por amigos que você nem conhece ainda, mas que estarão dispostos a lhe dar a mão nesse momento.

Valorize as Pequenas Coisas

Se você está impaciente, andando de um lado para outro como uma fera enjaulada ou então jogou o corpo na cama e não tem vontade de fazer nada, saiba que nem uma nem outra alternativa vai acabar com seu baixo astral.

Se esta a fim de sair dessa, há alternativas melhores. Encerrar-se numa concha é a pior de todas. Ao invés disso, faça alguma coisa simples mas prazerosa, como ler, fazer um passeio a pé, realizar algum trabalho manual, ir ao cinema ou simplesmente observar a natureza ao seu, rica em detalhes e belezas que captarão sua atenção e aliviarão as tensões do seu corpo e da sua alma.

Ou então faça uma tarefa manual e repetitiva, como costurar botões, alinhavar barras, depois leia alguma coisa e em seguida tire uma soneca. Quer mais? Deixe tudo de lado e crie coragem para ir passear e ver vitrines. Ponha no toca-discos aqueles velhos sucessos que você gostava de cantar ou dançar. Escreva um poema, copie uma receita, inicie uma pintura ou procure qualquer outra coisa que lhe dê prazer. Elas ajudarão a combater o seu baixo-astral.

Faça Coisas Agradáveis

Há com certeza uma porção de coisas agradáveis que poderão auxiliar no combater ao seu baixo-astral, dando ao seu corpo uma atividade ao mesmo tempo cheia de prazer e movimentando seus músculos e sua emoção. Um banho de piscina, além de ser relaxante, é uma das atividades físicas mais completas existentes. Um banho relaxante de banheira, com direito a velas perfumadas, música suave e sais aromáticos também é uma alternativa das melhores.

Você pode incluir nessa um passeio de mãos dadas com a pessoa amada, dançarem juntos, trocando carícias e buscando consolo nos braços dela. O importante é que você se movimente e não se isole, fazendo alguma coisa que lhe dê alegria e lhe traga felicidade.

Pratique Exercícios Físicos

O baixo-astral detesta movimento, por isso faça exercícios físicos sistematicamente, de quarenta minutos a uma hora, três vezes por semana. Com isso, além de estar fortalecendo seu coração e queimando gorduras, você vai aliviar as tensões e manter-se em forma e saudável. Além desses benefícios, os exercícios físicos acabam com aquele desejo de chorar e chutar tudo pela frente, relaxa a musculatura facial, acabando com a “cara amarrada”, e proporcionam um repouso agradável, eliminando a insônia. Não há baixo-astral que resista a isso.


O dinheiro em si é um bem escasso. Muitos itens podem ser usados como dinheiro, desde metais e conchas raras até cigarros ou coisas totalmente artificiais como notas bancárias. Em épocas de escassez de meio circulante, a sociedade procura formas de contornar o problema (dinheiro de emergência), o importante é não perder o poder de troca e compra. Podem substituir o dinheiro governamental: cupons, passes, recibos, cheques, vales, notas comerciais entre outros.