Versos confusos da Alma

Sou o fruto do tempo, e vivo em eterno conflito,
entre o que a minha alma deseja e o que a vida pode me dar.
O que eu quero é sempre conquistado com muita luta e perseverança,
nada me cai do céu, nem vem de graça pelo vento,
trabalho muito e tenho determinação,
choro e lágrimas se misturam com a alegria da conquista,
muitas vezes, a esperança quer fugir, me abandonar,
mas a minha certeza a tráz de volta.

Sou o fruto maduro das paixões,
dos amores que vivi e daqueles que desejei e não pude viver,
do amor sou escravo: é o meu oxigênio,
e se estou só, é a certeza de um novo amor que me leva,
a certeza de que irei te encontrar em breve, me motiva.
O meu amor é sempre semente, que rego com carinho,
que trato com o adubo da emoção.

Sou fruto do invisível, do imponderável,
tenho mistérios que são insondáveis,
verdades absolutas que as vezes se decompõem,
e um desejo de eternidade que vem da alma.
Sou parte da centelha Divina, e Deus habita em mim,
minha luta é ser melhor do que já fui um dia,
crescer em verdade,
amadurecer na experiência,
viver uma fé que ainda não tenho,
ter a paz que busco na passagem do tempo,
tempo que me diz sempre: é hora de amar,
e o amor, é sempre uma oportunidade, um chamado,
um recomeçar…

Eu acredito em você!
Paulo Roberto Gaefke
www.meuanjo.com.br

image_pdfimage_print

About Author:

Nascido em Diadema, SP no primeiro dia de janeiro de 1961, capricorniano que adora a vida e conhecer as pessoas, apesar de adorar a reclusão do meu lar. Pai, avô, irmão, filho, cristão, budista, evangélico, católico, espírita, templário, abduzido, desencontrado e meio incerto, assim sou eu... Paulo Roberto Gaefke no Google +

2 thoughts on “Versos confusos da Alma

  1. Lindo verso Paulo você escreve com a alma muito lindo parabéns sou sua fã
    abraço fraterno!

Comments are closed.