Quando…

23:09 29/12/2009

Quado tudo fica vazio, sem sentido,
Ele se faz presença e ocupa os espaços,
é um novo caminho, que guia seus passos.

Quando a injustiça vem cobrar alto preço,
Ele é o juíz que não erra, liberta,
traz a verdade que estava encoberta.

Quando o desamor bate a porta,
Ele é a própria sabedoria,
fonte de carinho em forma de poesia.

Quando a escuridão faz recuar,
Ele é a própria Luz,
candieiro divino que faz tudo  brilhar.

Quando o ódio atormenta,
Ele é o perdão que liberta, não acorrenta.
e pede, perdoa, tenta!

Quando as feridas sangrarem,
Ele é o curativo que estanca, faz secar,
remédio para a alma se curar.

Quando o medo paralisa,
Ele é a coragem que guia,
a mão que sustenta, a palavra que ampara,
a voz que não se cala.

Quando todos desaparecem,
Ele permanece, não te esquece.
Mão que você conhece, segue!

Quando a morte leva um pedaço de você,
Ele silencia junto com o seu pranto,
não te abandona nem com sua revolta,
chama o tempo, grande conselheiro,
que entende a sua dor com sinceridade,
remove a ausência, deixa apenas a saudade.

E Quando a saudade for muito grande,
Ele se aproxima como suave perfume,
são rosas delicadas que trazem esperança,
coro de anjos, voz de criança.
por você, Ele morreu numa cruz.
Se precisar,  não hesite, chame-o pelo nome,
seu amigo, Jesus!

Eu acredito em você
Paulo Roberto Gaefke
www.meuanjo.com.br

[email_link]

image_pdfimage_print

About Author:

Nascido em Diadema, SP no primeiro dia de janeiro de 1961, capricorniano que adora a vida e conhecer as pessoas, apesar de adorar a reclusão do meu lar. Pai, avô, irmão, filho, cristão, budista, evangélico, católico, espírita, templário, abduzido, desencontrado e meio incerto, assim sou eu... Paulo Roberto Gaefke no Google +

Comments are closed.