Permiti

Solto na estrada

Eu me permiti ser feliz.
E vivi um delicioso sonho de amor.
Acabou, mas ficou a marca da felicidade.
Deixou o gostinho de quero mais.
E do amor, não me afasto jamais.

Botão de rosa

Eu me permiti viver a esperança.

Cuidando do futuro de uma criança.
Escola, carinho, brincadeiras e muita compreensão.
Ela cresceu, o mundo girou, ela se foi.
Ficou a certeza do dever cumprido e o laço eterno.
Somos mais do que uma família, somos partes do mesmo corpo.

Botão de rosa

Eu me permiti trabalhar com determinação.
Por não aceitar migalhas e nem fazer corpo-mole.
Cresci nos cargos e tive uma grande evolução.
Sai daquela empresa, mas em mim ficou;
a certeza do dever cumprido e muito aprendizado.
Na cadeira vazia que deixei, uma marca não se apaga:
a do trabalho bem realizado que por si só já fala.

Botão de rosa

Eu me permiti viver uma grande amizade.
Dediquei meu tempo e laços foram estabelecidos.
Houve quem traiu e sumiu.
Mas restou no peito a certeza de que amigos são eternos.
Traições são passageiras, visões distorcidas de nossas frustrações.
Em toda amizade fica um perfume de eternidade.

Botão de rosa

Por fim, eu me permiti perdoar a tudo e a todos sem limites.
Descobri que a vida é uma estrada longa, ainda que passageira.
Onde quem carrega o maior fardo é aquele que leva mágoas.
Peso desnecessário na estrada da vida.
Dor incontida, raiva mal resolvida.
Peso que deixei no canto de uma rua esquecida.
Para lembrar apenas que eu sou o dono da minha vida.
E que no meu coração, só o amor ocupa espaço.

Coração

Assim sigo livre, leve e sempre pronto para o que der e vier.
Porque eu me permito, viver cada dia como se fosse o último.
E se for, levo comigo a certeza de que aprendi a grande lição:
o amor é a chave que liberta, nos dá asas para voar pela eternidade.
caminho único e real para a felicidade.

Paulo Roberto gaefke
www.meuanjo.com.br

[email_link] 

image_pdfimage_print

About Author:

Nascido em Diadema, SP no primeiro dia de janeiro de 1961, capricorniano que adora a vida e conhecer as pessoas, apesar de adorar a reclusão do meu lar. Pai, avô, irmão, filho, cristão, budista, evangélico, católico, espírita, templário, abduzido, desencontrado e meio incerto, assim sou eu... Paulo Roberto Gaefke no Google +

One thought on “Permiti

Comments are closed.