Moldura do amor

Moldura do amor



No estreito espaço entre a loucura e a razão,
deixe falar o seu coração,
sem medo de ser feliz ou parecer piegas,
o amor é assim mesmo, deixa a gente bobo,
mas de uma maneira gostosa, de encantamento,,
não dá para ficar pensando em dor ou sofrimento.
O amor liberta.

No curto espaço entre o tempo e o desejo,
deixe o amor falar mais alto e se entregue,
deixe as horas passarem lentamente,
e no tic-tac do seu coração, deixe bater a vida,
e da vida plena, deixe nascer uma canção,
que fale de poesia, mesmo sem rima,
apenas com sentimento, um desejo,
de que o tempo de amar seja eterno.

No pouco espaço entre o desejo e o orgulho,
deixe o desejo se manifestar, trazendo a humildade,
que é plena e fala de felicidade,
Onde o orgulho permanece, o amor acaba,
as vezes nem nasce, não dá para btotar.
Onde a humildade está, o amor flresce,
germina brotos que se agarram na raíz dos sonhos,
e como flor teimosa, permanece, cresce e dá frutos.
E o fruto do amor é a paz que lembra um campo florido.

Feche os olhos e deixe o amor invadir a sua alma,
com gosto de boca ansiosa,
com cheiro de terra molhada,
com lembrança de infância bem-vivida,
com certeza de quem já venceu a própria vida.
O amor é tudo isso, e muito  mais,
o amor é elixir da vida,
quem experimenta, não esquece jamais.

Eu acredito em você

Paulo Roberto Gaefke
[email_link]

image_pdfimage_print

About Author:

Nascido em Diadema, SP no primeiro dia de janeiro de 1961, capricorniano que adora a vida e conhecer as pessoas, apesar de adorar a reclusão do meu lar. Pai, avô, irmão, filho, cristão, budista, evangélico, católico, espírita, templário, abduzido, desencontrado e meio incerto, assim sou eu... Paulo Roberto Gaefke no Google +

Comments are closed.