Mensagem do dia – O Bode…

O BODE

(uma forma de aprender a agradecer)




Num pequeno vilarejo, numa casa simples, mas limpa e arrumada, vivia um homem com sua família: mulher, três filhos e a sogra. Mas o homem sentia-se completamente infeliz. Reclamava de tudo e de todos. Ora implicava com os filhos, ora era a sogra que o aborrecia, a casa que era pequena demais, a esposa que não era boa o suficiente… Nada o satisfazia.

Um dia, cansado de tanto sofrer, resolveu recorrer ao homem mais sábio da aldeia e pedir o seu conselho.
O sábio então lhe disse: – Vai, meu filho, procure um bode e o coloque dentro de sua casa. O homem se surpreendeu com aquilo, mas, diante da insistência do sábio, resolveu acatar o seu conselho.
Passado algum tempo, o homem voltou ao sábio mais infeliz ainda dizendo que sua vida estava muito pior, que sua casa estava suja, barulhenta, mal cheirosa, insuportável, e perguntou o que deveria fazer. E o sábio lhe disse: – Vá e tire o bode de sua casa.

E ele assim fez. Tamanho foi o alívio por se ver livre do animal que, a partir daquele dia, ele tornou-se um novo homem. Começou a descobrir e a valorizar tantas coisas que sempre tinham estado à sua volta, coisas das quais ele sequer tinha percebido a existência.

Quantas coisas maravilhosas temos ao nosso lado, quantos amigos sinceros que estão sempre prontos a nos ajudar, quanta coisa que conquistamos e vamos abandonando sem dar a devida atenção. Nós, seres humanos, ainda imperfeitos e falíveis que somos, continuamos precisando de “bodes” em nossas vidas para dar valor a nossas conquistas e a nós mesmos, que estamos sempre lutando para conquistar “um dia melhor”.
Paulo Roberto Gaefke
www.meuanjo.com.br


Deixe seu comentário. Facebook.
image_pdfimage_print

Comments are closed.

About Gaefke

Nascido em Diadema, SP no primeiro dia de janeiro de 1961, capricorniano que adora a vida e conhecer as pessoas, apesar de adorar a reclusão do meu lar. Pai, avô, irmão, filho, cristão, budista, evangélico, católico, espírita, templário, abduzido, desencontrado e meio incerto, assim sou eu... Paulo Roberto Gaefke no Google +