Mensagem do dia 22 de janeiro de 2013 – Tudo contra

No dia em que tudo deu errado,
onde até o sapato ficou furado.
A paciência acabou na pergunta do colega pentelho,
e o humor morreu ao ver o extrato do banco todo em vermelho.
A esperança, que é a última que morre, faleceu semana passada,
ao receber a notícia de separação da pessoa amada.

Tudo que parecia tão certo de repente parece dar errado,
e que era céu e gozo, vira inferno e pecado.

Lá vem a pergunta que não quer calar:
– O que eu fiz de errado?

Mas a resposta é o silêncio comprometedor.
E ao analisar suas atitudes, encontra brechas deixadas sem nenhuma dor.

O gasto excessivo do cartão de crédito virou arapuca.
A casa com o jeito desleixado, parece uma muvuca.
A falta de atenção com a pessoa amada, era fato consumado.
Tudo era por pura obrigação,
e os olhos não viam o coração.

Antes que seja tarde e a noite vire escuridão.
Encontre-se com os seus desejos reprimidos.
Procure saber mais de você, de ver o que realmente precisa,
e entre o amor impossível que se perdeu, que ficou no passado,
e as contas que não fecham no presente, o coitado!
Existe uma porta que se abre todos os dias,
chamando para mudança que a sua alma implora,
e o coração aflito fala e até chora:
– a vida é simples e pede muito pouco!

Talvez, o que mais pede agora, é é tão notório,
que você se ame, invista no amor próprio.
Para que a noite possa afastar as sombras e mostrar a lua,
e assim, romper de vez o medo da alma nua.
Quando o sol sair e terminar com o escuro,
você poderá finalmente, ver o seu próprio futuro!

Paulo Roberto Gaefke
ATENÇÃO:
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar,

distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original

(Escrito por Paulo Roberto Gaefke – www.meuanjo.com.br). Você não pode fazer uso

comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

image_pdfimage_print

About Author:

Nascido em Diadema, SP no primeiro dia de janeiro de 1961, capricorniano que adora a vida e conhecer as pessoas, apesar de adorar a reclusão do meu lar. Pai, avô, irmão, filho, cristão, budista, evangélico, católico, espírita, templário, abduzido, desencontrado e meio incerto, assim sou eu... Paulo Roberto Gaefke no Google +