Mensagem do dia 08 de janeiro

A alma implora – Paulo Roberto Gaefke

O silêncio perturbador é aquele que nos faz refletir.
É o chamado da nossa consciência gritando por um instante.
Um momento em que repensamos atitudes que estão nos causando algum mal.
É a hora em que a dor, que faz gemer, se torna bendita professora.



Quantos de nós estamos passando pela vida sem nenhum critério.
Queremos aquela pessoa porque nos julgamos donos dela.
Queremos aquele emprego porque acreditamos que seremos felizes ali.
Queremos aquela casa por acreditar que será um lar.
Queremos o amor de qualquer maneira, pelo medo da solidão.
E assim, assassinamos o nosso presente, criando um futuro doloroso.
Tudo porque agimos mas não pensamos…

Pausa para uma reflexão.
Hoje você pensou em você?
O que fez de positivo para a sua evolução?
Qual foi a marca que você deixou por ai?
Quantos ainda se lembram da sua passagem pelo dia?
Sua marca é a serenidade, a raiva ou a alegria?

Enquanto é tempo, marque um tempo para você.
Reflita em tudo o que tem acontecido ao seu redor.
Se for preciso, corrija-se.
Não tenha medo de recomeçar.
Tenha medo de não fazer nada, de estagnar.
Nem as montanhas mais altas estão livres da mudança.
Por isso, coragem, nada de agir como criança.

A vida pede atitude, bom senso e muito amor.
O amor só acontece quando começa com você,
de dentro pra fora.
É o silêncio que grita, a alma que implora,
me ame assim, sem demora.
Paulo Roberto Gaefke 08-01-2013
ATENÇÃO:
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Escrito por Paulo Roberto Gaefke – www.meuanjo.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



image_pdfimage_print

About Author:

Nascido em Diadema, SP no primeiro dia de janeiro de 1961, capricorniano que adora a vida e conhecer as pessoas, apesar de adorar a reclusão do meu lar. Pai, avô, irmão, filho, cristão, budista, evangélico, católico, espírita, templário, abduzido, desencontrado e meio incerto, assim sou eu... Paulo Roberto Gaefke no Google +