Julgamentos do mundo

Mensagem de Reflexão: Julgamentos do mundo
Escrita por Paulo Roberto Gaefke para você.
22-02-2105

Em nenhuma situação,
se deixe levar pela primeira impressão.
Há engano na beleza de um perfil na Internet,
e desengano no encontro real longe do mundo virtual.
Hoje pode ser o seu melhor dia, e o seu sorriso encantar.
Mas, pode ser aquele dia pavoroso, onde até o seu hálito
fica amargo e é de assustar.

Não se precipite em julgar quem quer que seja.
Há sempre muitas explicações,
para quem vive as situações.
Quem está de fora não conhece as suas dores e aflições,
e você também não sabe o que eu carrego dentro de mim.
Por isso, mantenha sobre o mundo o olhar de quem espera.
De quem sabe que todos estamos buscando a evolução.
Para uns chega logo, por duras provas, onde se testa a emoção.
Para outros, alheios ao mundo e aos seus apelos,
tudo vem lentamente, inclusive o que se espera dos mais vividos,
o tal do juízo.

A sociedade terá sempre o olhar do agora sobre as pessoas.
Vai sempre perguntar o que você tem, quanto você tem.
Onde estudou, com quem andou, o que comeu.
Para o mundo você pode valer muito pouco,
quase nada e sofrer muitas humilhações.
Mas, existe alguém, que te admira pelo que você é,
e sabe o potencial que você tem para ser e crescer.

Por isso, não sofra pelo mundo que quer te julgar,
eles não sabem onde você vai chegar.
Antes, aproxime-se Deus que quer te exaltar.
E nessa confiança, conquiste seu espaço, sua paz.
O mundo te marca com julgamento e dor,
Deus te cerca com certeza e amor.

Quem poderá te barrar?

____________________
Paulo Roberto Gaefke
www.meuanjo.com.br
“Ao menos uma vez por mês, pratique o vegetarianismo, para nutrir seu coração de compaixão.”

Deixe seu comentário. Facebook.
image_pdfimage_print

Comments are closed.

About Gaefke

Nascido em Diadema, SP no primeiro dia de janeiro de 1961, capricorniano que adora a vida e conhecer as pessoas, apesar de adorar a reclusão do meu lar. Pai, avô, irmão, filho, cristão, budista, evangélico, católico, espírita, templário, abduzido, desencontrado e meio incerto, assim sou eu... Paulo Roberto Gaefke no Google +