Depressão não é fingimento não!

Depressão é doença sim!
Por Paulo Roberto Gaefke


Pode ser que a depressão já esteja na sua porta,
que a idéia do suicídio esteja martelando na sua cabeça.
Pode ser que você esteja vendo tudo cinza,
barreiras e mais barreiras, uma vontade sem vontade,
nada alimenta o seu desejo, o seu tesão pela vida sumiu.
Tudo isso são sinais claros de Depressão.

Depressão é uma doença sim!
Ela atinge qualquer pessoa, de qualquer credo,
de todas as raças, países ou comunidades.
Precisa de tratamento, precisa de medicamento.
Não adianta pegar uma pessoa depressiva,
e ficar fazendo discurso de alegria,
nem ficar falando que Deus levanta,
que depressão é coisa do “mal”,
que os demônios estão a solta…

Depressão precisa de atenção!
Atenção de quem vive o problema,
atenção de quem compartilha com um ente querido.
Por isso, o primeiro passo é reconhecer que precisa de ajuda.
O segundo, é claro, é buscar essa ajuda.
Não adianta ficar em casa esperando um anjo,
se não puder caminhar, peça socorro!

Admitir que está com gripe é pecado?
Admitir que está com dor de barriga é vergonhoso?
Admitir que precisa de ajuda é tão difícil assim?
Depressão é doença sim!

Precisa de atenção, de medicamento, de carinho.
É um ciclo que todos estamos sujeitos.
Por ser um ciclo, deve ter começo, meio e fim.
Por isso, busque ajuda para trocar os “olhos”,
que vêem tudo acinzentado, por outros,
que possam enxergar a beleza e a cor da vida.

“É um novo dia, e quem sabe, uma nova terapia.
Ser feliz é uma busca constante,
de todo ser caminhante.
Por vezes, sentimos fraquejar,
o desânimo vem nos alcançar.
Mas, levante a cabeça, não olhe para o chão,
é do céu que vem a sua salvação.”

Eu acredito em você
Paulo Roberto Gaefke
www.meuanjo.com.br

“Ao menos uma vez por mês, pratique o vegetarianismo, para nutrir seu coração de compaixão.”

[email_link]

image_pdfimage_print

About Author:

Nascido em Diadema, SP no primeiro dia de janeiro de 1961, capricorniano que adora a vida e conhecer as pessoas, apesar de adorar a reclusão do meu lar. Pai, avô, irmão, filho, cristão, budista, evangélico, católico, espírita, templário, abduzido, desencontrado e meio incerto, assim sou eu…
Paulo Roberto Gaefke no Google +