De tudo enfrentei





De tudo o que já passei na vida,
e olha que não foi pouco, apesar da pouca idade.
Enfrentei cada situação com uma reação,
em alguns casos, com muita “razão”,
e em outros, excessiva emoção.

Parece que só o tempo traz esse amadurecimento.
E até hoje, sigo buscando o equilíbrio,
entre o “adolescente” que vê tragédia em tudo,
e o “adulto” que se julga conhecedor do mundo.
Sempre tento trazer para a minha vida,
a criança que ainda existe dentro de mim,
e que se esconde de vergonha de se exibir.

Somos assim, meio tolos, fingindo ser o que gostaríamos de ser,
vestindo sapatos apertados, jóias horrorosas,
perfumes que estão na moda e entopem o nariz.
Moramos bem, mas sempre queremos um quarto a mais.
Se amamos, queremos declarações a todo o momento.
Se um relacionamento termina, achamos que é o fim do mundo.
Que “nunca mais” teremos alguém assim,
apesar de saber que essa última pessoa, nem era assim “uma Brastemp”.

E o tempo vai passando, a vida vai acertando os passos,
e os que conseguem vencer a barreira da idade,
buscam o sossego de um ombro amigo,
o encanto de palavras gentis,
amigos para um jogo de cartas, uma viagem.
Descobrimos a felicidade como ela é:
simples, sem muitos adereços, sem frescura.

Se você quer seguir sem muitos sustos pela vida,
equilibre-se com a criança que habita em você,
deixando escapar de vez em quando o eterno adolescente que grita,
e colocando o adulto que você se transformou, como um observador.
E assim, usando a razão dosada com emoção,
possamos ser melhores do que fomos ontem,
neste dia que convida para a vida.

Seja feliz.
Paulo Roberto Gaefke



image_pdfimage_print

About Author:

Nascido em Diadema, SP no primeiro dia de janeiro de 1961, capricorniano que adora a vida e conhecer as pessoas, apesar de adorar a reclusão do meu lar. Pai, avô, irmão, filho, cristão, budista, evangélico, católico, espírita, templário, abduzido, desencontrado e meio incerto, assim sou eu... Paulo Roberto Gaefke no Google +

2 thoughts on “De tudo enfrentei

  1. De tantas coisas que perdi, que sofri, olho pra trás e nen sei como sobrevivi, hoje tenho minha filha, estou só, mas carrego ela como troféu, e um simples sorriro dela, me faz campeã, desta vida que só me
    fez sofrer, desilusões, apertos, nós que desatei. Tá dificil sorrir novamente pra vida, e a cada dia, mato um leão….só espero esta fase acabar e encontrar mais desafios, porque Deus dá o problema do tamanho que ele te enxerga, sou pequena de tamanho, mas acho que ele me vê como um gigante……Obrigada pelas Palavras Paulo.

  2. Paulo!
    Perfeitas essas linhas..
    De tudo o que já passei na vida,
    e olha que não foi pouco, apesar da pouca idade.
    Enfrentei cada situação com uma reação,
    em alguns casos, com muita “razão”,
    e em outros, excessiva emoção.
    Só a idade não é pouca, em maio serei sexagenária.Mas tem sido assim mesmo minha vida tem sido extraordinária. O que para muitos seria motivo de desânimo, para mim tem sido aprendizado e mais determinação.CBelo texto.Concordo com vc: Descobrimos a felicidade como ela é:
    simples, sem muitos adereços, sem frescura.É isso mesmo amigo.Grata por mais esse texto verdadeiro!Felicidades para vc!
    Bjos de luzzzzzzzzz

Comments are closed.